Diário Cinema

Análise | Westworld: Quarta temporada se perde no próprio labirinto

Com desfecho se aproximando, atração tem dificuldade em responder suas próprias questões.

No Brasil, a série volta a ser exibida semanalmente pela HBO e HBO Max. Foto: Reprodução
No Brasil, a série volta a ser exibida semanalmente pela HBO e HBO Max. Foto: Reprodução
Carol Souza
PorCarol Souza

Na quarta temporada de “Westworld”, o personagem de Evan Rachel Wood descreve o conceito do NPC – na linguagem dos videogames, os “personagens não-jogadores”, as figuras de fundo eletrônicas que existem para servir a pessoa no controle. A exemplo de Dolores, a personagem de Wood já viveu tal destino, como uma “anfitriã” senciente em um parque temático. E tendo libertado sua mente há muito tempo, ela agora é conhecida como Christina, está morando em uma cidade americana e trabalhando em uma empresa de videogames, onde é ela quem conta histórias.

Bem, em segundo plano, pelo menos. “Não é tão importante quanto programar o protagonista”, diz ela a um quase estranho durante o jantar no primeiro episódio da temporada, “mas é tão importante quanto”.

A maioria dos jogadores de videogame, pergunta o namorado dela, não trata os NPCs como “bucha de canhão” – blips inúteis a serem tratados às pressas? “Não estou fazendo isso pelos jogadores”, diz Christina, “estou fazendo por mim mesma”.

O personagem de Wood sempre incorporou as principais preocupações dos criadores do programa, Jonathan Nolan e Lisa Joy. É o despertar dela que dá início à ação da série na primeira temporada; é a sua alma que foi a resposta mais urgente para a questão central da série sobre se pode haver humanidade dentro da inteligência artificial. E, agora, é sua vocação que sugere os rumos da narrativa.

A nova temporada não trata apenas muitas das pessoas na tela como NPCs. Retendo uma falha e colocando uma ênfase cansativa na má orientação, também deixa os espectadores no escuro. Na nossa relação com a atração, também somos bucha de canhão, assistindo como Nolan e Joy fazem isso – contar uma história cujo propósito parece cada vez mais remoto – para eles mesmos.

O show está em modo de reconstrução, retornando tanto para as grandes preocupações globais quanto para jogos temporais. Respeitando a linha do tempo ao longo da qual Nolan e Joy procuram dividir revelações, é difícil dizer muito, exceto que: enquanto a Christina de Wood luta para entender exatamente o que a motiva e de onde as memórias que ela usa para sua carreira de roteirista de videogames vem, uma guerra em grande escala pelo destino da vida na terra está se desenrolando, com o Homem de Preto de Ed Harris lançando uma campanha de influência, com uma contagem de corpos, dirigida a algumas das pessoas mais poderosas do mundo.

Tudo isso vem depois de uma terceira temporada que substituiu o mistério em camadas do programa por uma narrativa mais simples, deixando para trás muitos dos elementos centrais e parecendo se afastar das grandes questões que “Westworld” costumava abordar. Essas questões – sobre o livre-arbítrio e o que significa ser verdadeiramente humano – estão de volta, mas estão tão encobertas que são difíceis de entender. Simplificando: os espectadores ficarão lutando para entender o que está em jogo ou o que está acontecendo até a metade de uma temporada de oito episódios, após a qual um público que sofreu sua parcela de punição pode já ter esgotado.

Não precisava ser assim! O início de “Westworld” foi empolgante, mesmo que tenha colocado em tela enigmas potencialmente maiores do que poderia responder com credibilidade e que tenha tentado a confusão do público com cronogramas embaralhados e revelações atrasadas. A primeira temporada não foi tematizada em torno do conceito de labirinto à toa. No entanto, a conta parece estar chegando: como o final do show, quando quer que seja, se aproxima sem clareza à vista sobre a questão do que significa senciência, a única solução é embaralhar mais, obscurecer mais.

Westworld criou lacunas difíceis de preencher. Foto: Reprodução
Westworld criou lacunas difíceis de preencher. Foto: Reprodução
Westworld criou lacunas difíceis de preencher. Foto: Reprodução

Os lampejos do que fez de “Westworld” uma das séries mais marcantes da televisão perduram, porém, trazidos pelo elenco. Wood atua se utilizando de uma tensão que fica um milímetro abaixo de uma superfície segura, vibrando com a sensação de que ela esqueceu algo importante. Em outros lugares, Jeffrey Wright e Thandiwe Newton assumem o papel principal em suas histórias, auxiliados por (respectivamente) Aurora Perrineau e Aaron Paul. Ambos estão, à sua maneira, tentando salvar o mundo além dos portões de “Westworld”, que parece ambiguamente ameaçado. E Tessa Thompson, cuja malevolência corporativa evoluiu à medida que a série se desenvolvia, é infinitamente atraente, mesmo que suas cenas, como muito de “Westworld” ultimamente, pareçam extrair seu poder de uma vontade de ser enigmática.

Momento a momento, “Westworld” ainda envolve e ainda aproveita um instinto fundamental para o que no futuro promete ser uma figura final impressionante. Seu flerte com os tropos de Americana – trazido a uma espécie de vida no vilão de Harris, uma figura invertida de John Wayne – permanece poderoso, assim como seu reconhecimento do desespero. Às vezes, o equilíbrio se perde: uma sequência em que uma poderosa esposa política foi levada ao ponto da loucura me prendeu apesar de seu uso um tanto aleatório na história, enquanto uma em que uma criança é aparentemente colocada em perigo com seu pai assistindo de forma impotente parece estar além do que um programa cujos objetivos narrativos estão tão à deriva pode suportar.

Mas “Westworld” não pode, na verdade, ter sua história julgada por sua falta de habilidade se fazer envolver, isso só ficará claro quando a mesma for contada até o fim, talvez. Essa é uma maneira respeitável de fazer arte, mas um desafio para um programa que exibe episódios semanalmente. Olhando para partes maiores do programa até agora, sua segunda temporada, por exemplo, contou uma história incompleta que apontava para uma ambição ainda mais selvagem de documentar a ascensão e queda de um novo tipo de vida. Sua terceira temporada evitou isso e sugeriu uma instabilidade no coração do projeto “Westworld”, uma ânsia de se afastar do que veio antes.

Tudo isso faz com que mais uma nova direção para este drama pareça menos com seu mundo se expandindo e mais como um encolhimento. “Reminiscence”, filme de 2021 escrito e dirigido por Lisa Joy, era no fundo um noir francamente convencional vestido com as roupas do futuro. E se “Westworld” não for, da mesma forma, uma série sobre nada além de continuar se desenvolvendo? Isso, talvez, se encaixasse em um programa no qual vários personagens buscam sem sangue a autopreservação, mesmo enquanto lutam para encontrar a centelha da vida dentro de si. Mas não há como saber até chegarmos ao fim. Os sinais que o programa deu até agora são que truques narrativos e momentos de pegadinha são tão ou mais importantes do que transmitir informações e ideias através da arte.

Avaliados de forma independente, então, os quatro primeiros episódios da quarta temporada de “Westworld” são muitas vezes divertidos, com momentos pontiagudos e interessantes espalhados entre outros elementos que parecem puro preenchimento. Como uma fã séria desde o início do programa, vou me contentar em descrevê-los como “muitas vezes divertido”. Mas é difícil imaginar que os dois criadores de “Westworld” – escritores que partiram, de forma emocionante, para investigar o que significa ser humano e que agora estão nos perdendo dentro do labirinto que continuam complicando – possam o ser.

ComentáriosO que você achou?
Últimas