Diário Cinema

Análise | Elvis: Não tão absurdo e a-histórico quanto poderíamos esperar

Enquanto Austin Butler brilha como o Rei, Tom Hanks se contorce - e não convence - ao dar vida ao famigerado Coronel.

Entre tropeços e acertos, longa consegue se manter mais próximo aos fatos, superando narrativas de obras como 'Bohemian Rhapsody' e 'Rocketman'.
Entre tropeços e acertos, longa consegue se manter mais próximo aos fatos, superando narrativas de obras como 'Bohemian Rhapsody' e 'Rocketman'.
Carol Souza
PorCarol Souza

Baz Luhrmann, o maximalista australiano por trás de filmes audaciosamente estilizados como “Moulin Rouge!” e “O Grande Gatsby”, assumiu o comando de seu primeiro filme biográfico, e ele é um monstro. Embora algumas tentativas tenham sido feitas para dramatizar a história de vida de Elvis Presley, mais notavelmente Kurt Russell no filme de John Carpenter de 1979, também intitulado Elvis, o filme de Luhrmann é de longe o maior e mais ousado até agora, com um orçamento de US$ 85 milhões superando todos os outros filmes biográficos de Presley.

Austin Butler, um ator de 30 anos que fez seu nome com vários papéis de TV para adolescentes e pré-adolescentes no Disney Channel e The CW, é a estrela improvável desta enorme biografia do Rei do Rock'n'Roll. Um nativo de Anaheim cujo projeto anterior de maior prestígio foi um pequeno papel como membro da Família Manson em “Era Uma Vez em Hollywood”, Butler derrotou nomes muito maiores como Miles Teller e Harry Styles para conseguir o papel da sua vida. E em “Elvis”, ele sofre uma transformação impressionante para interpretar o garoto de Tupelo, Mississippi, que mudou a música popular para sempre.

Tom Hanks interpreta o coronel Tom Parker, empresário que projetou a ascensão de Presley à fama global na década de 1950, mas foi amplamente acusado de negligência financeira e desrespeito geral pelos melhores interesses de Presley, levando à morte prematura do cantor em 1977. Parker é o protagonista da história, vilão e seu narrador não confiável, e vemos a história em grande parte através de seus olhos, mesmo quando o roteiro, co-escrito por Luhrmann, nos lembra sem sutileza de não confiar em seu relato.

Mesmo os filmes biográficos de música mais famosos, de “Bohemian Rhapsody” a “The Doors”, foram criticados por não serem tão fiéis aos fatos. Mas quando Baz Luhrmann foi contratado para contar a história de vida de Elvis Presley em 2014, ficou claro que a precisão histórica não era a principal prioridade.

Um ano antes, a empresa de marketing Authentic Brands Group havia comprado os direitos da imagem e propriedade intelectual de Presley, com o objetivo de tornar Elvis moderno e lucrativo para uma nova geração de consumidores. E Luhrmann, cujos filmes melodramáticos e cheios de música deram origem a álbuns de trilha sonora multi-platina, foi uma escolha astuta para ajudar nessa missão.

Mérito de Luhrmann, “Elvis” é um filme muito mais direto e factualmente preciso do que deveria ser. “The Get Down”, a caríssima série de 2016 de Luhrmann sobre o nascimento do hip-hop que a Netflix cancelou após uma temporada, transformou o South Bronx dos anos 1970 em uma espécie de paraíso mítico dos b-boys. Mas “Elvis”, embora mantenha o tom de assinatura onírico do diretor e priorize a emoção e a iconografia sobre a narrativa direta, é na maioria dos aspectos uma cinebiografia bastante convencional que distorce ou omite muito menos do que “Bohemian Rhapsody” fez.

Entretanto “Elvis” tropeça fora com algumas das escolhas mais vistosas e lamentáveis ​​de Luhrmann na primeira meia hora. Primeiro vemos Presley de Butler não como uma jovem estrela pop, mas como um barrigudo de trinta e poucos anos em Las Vegas. E conhecemos o Coronel Tom Parker, que sobreviveu a Presley por duas décadas, em seus anos de crepúsculo, assombrando cassinos com morfina e argumentando sobre seu complicado legado conosco, o público.

Novo filme sobre Elvis consegue ser fiel à história do cantor. Foto: Reprodução/YouTube
Novo filme sobre Elvis consegue ser fiel à história do cantor. Foto: Reprodução/YouTube
Novo filme sobre Elvis consegue ser fiel à história do cantor. Foto: Reprodução/YouTube

Uma vez que finalmente começamos a história, com Parker descobrindo Presley no Louisiana Hayride, Luhrmann nos apresenta uma origem mitológica e absurdamente exagerada. As garotas começam a perder a cabeça mergulhadas em luxúria segundos depois de ouvir Presley cantar, como se estivessem prestes a se transformar em lobisomens. "Baby Let's Play House" de repente tem um solo de guitarra que soa mais como Led Zeppelin em seus shows de arena do que qualquer coisa que estava em um disco de Elvis Presley em 1955. É de longe a pior cena do filme e, claro, também é exaustivamente apresentada em cada trailer.

Depois dessa exibição embaraçosa, porém, Luhrmann diminui e faz uso mais criterioso de seu talento. Como vemos Presley pelos olhos de Parker, a breve descrição da vida do cantor antes de se conhecerem parece apropriadamente desconectada do resto da história. Sua infância é mostrada parcialmente animada no estilo dos quadrinhos que Presley leu, e o ator infantil Chaydon Jay interpreta um jovem Elvis usando um logotipo de raio em um colar em homenagem ao seu super-herói favorito, Capitão Marvel Jr.

Um filme que espreme 20 anos muito agitados em duas horas e meia tem que escolher no que focar. E “Elvis” constrói ótimas sequências ao apresentar os primeiros dias de turnê de Presley, seu especial de TV de “retorno” de 1968 e sua residência no cassino.

Mas “Elvis” passa por momentos-chave da história de Presley de forma surpreendentemente rápida. Presley dizendo as palavras “Sam Phillips me descobriu” são quase tudo o que veremos sobre o papel maciço do produtor e fundador da Sun Records em sua carreira. Em um piscar de olhos, vamos do verão de 1956 à primavera de 1958, passando pela transição de Presley para o estrelato do cinema e momentos icônicos como “Jailhouse Rock”, e então seus dois anos no Exército dos EUA também são rapidamente ignorados.

E o relacionamento de Presley com Priscilla Beaulieu, que tinha 14 anos quando conheceu a estrela pop de 23 anos, recebe pouco escrutínio ou detalhes até que seu casamento comece a se deteriorar nos anos 70 – este filme é, afinal, o primeiro e mais importante esforço de relações públicas endossado pelo espólio de Presley.

No papel, Austin Butler é a grande aposta de “Elvis”, e Tom Hanks é a certeza, trazido para ajudar a levantar um filme que está arriscando um orçamento de 8 dígitos em um relativamente desconhecido ator. Mas Butler, que interpreta Presley passando de um jovem de 20 anos de rosto fresco para um homem adulto de 42 anos com excesso de peso, a semanas de uma morte prematura, carrega o filme com certeza. Nas primeiras cenas, parece que seu cabelo e suas maçãs do rosto estão fazendo muito do trabalho por ele. Mas no momento em que ele faz seu retorno no final dos anos 60, Butler incorpora Presley em um grau assustadoramente eficaz. Luhrmann mostra Presley em seus anos de vida pública, então Butler não é solicitado a retratar sua vida no interior – ele retrata principalmente o ícone de Elvis, e ele acerta em cheio.

Em contrapartida, Tom Hanks é o elo fraco do filme. Parker, que nasceu Andreas Cornelis van Kuijk na Holanda e manteve segredo sobre seu passado depois de se mudar para a América e mudar de nome, é uma figura fascinante cuja importância para a história de Elvis Presley não pode ser exagerada. É inteligente torná-lo central para o filme e dar esse destaque a uma grande estrela.

Quando um protagonista da estatura de Hanks se torna um idoso, ele muitas vezes se encontra em papéis de mentor, anunciados abaixo de atores mais jovens, mas muitas vezes ofuscando-os com uma presença na tela mais segura e experiente. Infelizmente, Hanks é tão exagerado que é difícil de assistir, uma performance viscosa e contorcida que sugere que ele talvez se arrependa de nunca ter interpretado o Pinguim em um filme do Batman.

“Elvis” não é a obra escandalosamente surreal de Baz Luhrmann que muitos esperavam – de certa forma, o filme de Dexter Fletcher sobre a vida de Elton John, “Rocketman”, estava mais próximo de ser um filme biográfico de rock ao estilo de Baz Luhrmann. Mas o estilo um pouco mais contido do diretor nesta produção funciona com sucesso a serviço da atuação de Butler, que é sublime na segunda metade do filme. Butler é tímido e de fala mansa como o jovem Elvis, arrogante e carismático em seu auge e, finalmente, impotente fora de contato com a realidade em Las Vegas, vivendo de forma convincente todo o arco trágico de Presley.

À beira de uma hagiografia que culpa o Coronel Parker por tudo que deu errado e faz de Presley um participante passivo em sua própria carreira, “Elvis” contém muitos dos clichês da cinebiografia musical que “Walk Hard: The Dewey Cox Story” satirizou de forma tão memorável. E quando o texto do epílogo antes dos créditos afirma que “Elvis Presley é o artista solo mais vendido de todos os tempos” e “Sua influência continua viva”, aquele endosso das relações públicas de que falamos anteriormente parece um pouco transparente demais. Mas juntos Luhrmann e Butler fizeram um retrato atraente e às vezes muito divertido de Elvis Presley – não graças a Hanks.

No Brasil o longa chega aos cinemas no próximo dia 14 de julho. Confira o trailer abaixo:

ComentáriosO que você achou?
Últimas