Diário Cinema

Lightyear é uma história de origem doce, mas segura; Leia a crítica

“Lightyear” mergulha em uma ficção científica divertida, mas não tem os riscos criativos que resumem os melhores trabalhos da Pixar.

Longa apresenta um avanço na representatividade da humanidade com uma liderança negra e queer pela primeira vez na história da Disney.
Longa apresenta um avanço na representatividade da humanidade com uma liderança negra e queer pela primeira vez na história da Disney.
Carol Souza
PorCarol Souza

É apropriado que, após quatro edições de “Toy Story” nos últimos 25 anos, vários spin-offs derivados e um legado ainda indiscutível, a Pixar não tenha terminado de contar histórias sobre este amado universo. Mas esta é um pouco mais complicada: no ano de 1995, um garoto chamado Andy ganha de presente um boneco do Buzz Lightyear, um patrulheiro espacial que atuou como protagonista no filme favorito de Andy. “Lightyear” é esse filme. “Lightyear” promete ser a história de origem definitiva de um dos personagens mais icônicos da franquia, com um pano de fundo de ficção científica, trazendo toda sua atitude e slogan, e contando com uma grande aparição do principal antagonista de Buzz, Zurg. Leia a crítica abaixo (mas atenção, pois o texto contém spoilers). 

Embora eles tenham trocado Tim Allen por Chris Evans como voz de Buzz, há sem dúvida uma sensação de estar diante dos trabalhos clássicos da Pixar em “Lightyear”. O filme segue Buzz enquanto ele e sua comandante, Alisha Hawthorne (dublado por Uzo Aduba), são abandonados em um planeta habitável, mas menos do que ideal, com sua tripulação. Enquanto Buzz trabalha incansavelmente para criar um plano de fuga para a colônia do Comando Estelar, ele fica cara a cara com o custo de sua busca (com alguma ajuda da teoria da relatividade de Einstein).

O diretor e co-roteirista do filme, Angus Maclane, faz um ótimo trabalho martelando a mensagem moral simbólica do filme – que os erros moldam quem somos e, para citar outro personagem icônico da Disney, “o passado está no passado”. Esses conceitos são tratados com sabedoria e empatia, e no verdadeiro estilo Pixar, com uma universalidade que flui e reflui além do clichê.

Talvez uma das maiores vitórias de “Lightyear” venha não apenas em sua narrativa, mas em seu reflexo da humanidade: não apenas “Lightyear” apresenta um personagem central negro e queer pela primeira vez na história da Disney, seu elenco de personagens é deliciosamente fundamentado e realista. A neta de Hawthorne, Izzy (dublada por Keke Palmer) é uma cadete júnior do Comando Estelar ambiciosa, embora inexperiente, e seu grupo de amigos Darby (dublado por Dale Soules) e Mo (dublado por Taika Waititi - um verdadeiro destaque) são hilários e emocionantes.

Mas ninguém rouba o show como Sox (dublado por Peter Sohn), o gato robô de Buzz projetado para ajudá-lo com sua transição de volta do espaço. Além de ser um robô superpoderoso e altamente inteligente, Sox é um gato típico em todos os sentidos - mas suas piadas espirituosas, ruídos absurdos de "gato robô" e esforços heróicos para ajudar Buzz e sua equipe dão a “Lightyear” uma sensação de leveza e brilho que os melhores filmes da Pixar têm.

Embora a Pixar não seja necessariamente avessa à ficção científica, “Lightyear” se inclina mais para o gênero do que, digamos, o mundo distópico de “WALL-E”. Na frente e no centro da trama está o aspecto do tempo - enquanto Buzz continua testando a rota de fuga do planeta, ele deve encontrar a combinação certa de cristais de energia para alcançar voo em hipervelocidade. No entanto, cada vez que ele testa os cristais com um voo solo ao redor da estrela vizinha do planeta, ele leva apenas quatro minutos, enquanto que quatro anos se passam no planeta.

O filme 'Lightyear' calculou todas as rotas possíveis para contar a origem de Buzz
O filme 'Lightyear' calculou todas as rotas possíveis para contar a origem de Buzz
O filme 'Lightyear' calculou todas as rotas possíveis para contar a origem de Buzz

Eventualmente, Buzz encontra a combinação certa, mas a quantidade de tempo que passou no planeta do Comando Estelar levou a grandes mudanças - vidas inteiras se passaram enquanto Buzz envelheceu apenas cerca de 3 semanas. Este enredo é explicado e apresentado minuciosamente, como se os criadores de “Lightyear” se propusessem a fazer um “Interstellar, mas para crianças”. Eventualmente, ele retorna ao planeta para perceber que uma enorme nave paira sobre eles e um exército de robôs que servem a uma figura misteriosa chamada Zurg representam uma grande ameaça.

Mas além das mudanças criativas na linha do tempo, “Lightyear” abraça a tradição da ficção científica de braços abertos. Os princípios estéticos do Comando Estelar são amplamente expandidos, completados por uma nave espacial fascinantemente redonda para a tripulação (que Buzz chama carinhosamente de “O Nabo”, porque “parece um vegetal de raiz”). Outras naves espaciais ecoam as estruturas angulares dos veículos de “Star Wars” – e Buzz e Alisha usam uma espécie de “sabre de luz” como armas – mas mesmo que Pixar e “Star Wars” compartilhem a mesma empresa-mãe, há menos homenagem do que se poderia imaginar.

Também vale a pena mencionar que só vemos o único planeta em que Buzz e sua tripulação estão abandonados; então, em vez de ter uma jornada no estilo “Star Trek” por vários planetas, ecossistemas e formas de vida alienígenas, a Pixar decidiu manter a caixa relativamente fechada em favor de maximizar a história e o arco em questão. Além disso, está bem estabelecido que Buzz passou grande parte de sua vida explorando esses outros planetas, e isso torna a busca de Buzz para fazer sua tripulação se mover pelo espaço novamente muito mais séria e urgente.

“Lightyear” tem sucesso em grande parte devido ao seu roteiro hermético e sem frescuras, e como praticamente todos os outros filmes da Pixar, as piadas definitivamente caem muito bem. É sem dúvida uma produção de ficção científica infantil divertida e provocadora de sorrisos, e cada novo personagem em “Lightyear” parece inspirado e real.

Mas, vamos voltar para “Toy Story 4”, longa que nos apresentou outro capítulo doce, embora um pouco desnecessário, da saga “Toy Story” em 2019. Algo sobre “Toy Story 4” parecia mais vital e criativo do que qualquer um teria esperado. Não apenas estávamos a quilômetros de distância de Andy e da tradição dos filmes mais antigos, como também havia um garfo de plástico em plena crise existencial e completamente desesperado para ser devolvido ao lixo onde ele pertence.

Este foi o mais longe que a Pixar chegou a reconhecer plenamente não apenas o aspecto existencial dos brinquedos na história, mas o fato de que esta era uma saga que havia sido completamente explorada para a história, e voltar à prancheta para um quarto filme significava que eles tiveram que fazer algumas escolhas ousadas e arriscadas. Felizmente, e quase surpreendentemente, “Toy Story” 4 atendeu bem a essas expectativas.

Isso nos leva à perspectiva relativamente segura e confortável de “Lightyear”: além sinopse que explica o significado deste filme para o primeiro “Toy Story”, não há muitas piadas ou ligações maiores com a franquia, optando por uma narrativa totalmente independente e que se sustenta sozinha. Embora isso não seja necessariamente ruim, parece uma oportunidade perdida de iluminar ainda mais o conjunto original de filmes de “Toy Story” e embelezar o personagem de Buzz de uma maneira muito mais desafiadora e diferenciada.

Mas se não temos um retrato mais único e arriscado de Buzz, pelo menos temos gato Sox, cujas piadas frequentes e caracterização irresistível trazem “Lightyear” para um universo de ficção científica mais absurdo. A Pixar está quase sempre faturando com seus coadjuvantes animais/robôs/robôs animais, e é uma parte de sua fórmula que nunca fica obsoleta.

Com a Pixar claramente assumindo um risco maior de contar histórias com “Red” este ano (e tendo sucesso), “Lightyear” parece arriscar menos e, francamente, parece um pouco simples demais para seus padrões sempre crescentes. Entretanto, felizmente, “Lightyear” é maravilhosamente animado, cheio de piadas escritas com inteligência e termina com uma mensagem importante sobre auto-crescimento e aceitação. Se “Lightyear” é uma nave espacial indo para o infinito e além, esta nave parece estar um pouco presa em seu próprio sistema solar por enquanto – mas isso não significa que não valha a pena o passeio.

ComentáriosO que você achou?
Últimas