Diário Cinema

Análise: 3ª temporada de The Umbrella Academy trata transição de Elliot Page com respeito

Simplicidade e empatia regem a introdução da mudança de gênero tanto do ator quanto do personagem.

Terceira temporada de “The Umbrella Academy” aborda a transição de gênero de um modo delicado e admirável
Terceira temporada de “The Umbrella Academy” aborda a transição de gênero de um modo delicado e admirável
Carol Souza
PorCarol Souza

The Umbrella Academy” não é um show sutil. Os personagens expressam externamente tanto o que está acontecendo na tela quanto seus sentimentos sobre isso. A cinematografia chama a atenção constante para si com tomadas aéreas e manobras de câmera CGI para nos deslizar por mansões imponentes e hotéis antiquados. Em um episódio da terceira temporada do programa, “Cat’s in the Cradle” toca como uma trilha sonora irônica para uma cena que parodia a ligação entre pai e filho.

Assistir a esta série significa aceitar que as coisas podem mudar irrevogavelmente, apenas para voltar a ser como eram, tudo no espaço de apenas um episódio. Isso pode diminuir o impacto emocional de possíveis momentos devastadores. Mas a produção, merecidamente, tem personagens que são atraentes por quem são, não pelo que acontece com eles.

A terceira temporada da série da Netflix geralmente oferece o que os espectadores esperam dela: sacanagem contínua do espaço-tempo e diálogos que são partes iguais de sarcasmo e sinceridade. Mais uma vez, o mundo está prestes a acabar e nossos heróis disfuncionais mal conseguem manter a união da família nos trilhos, quanto mais bolar um plano para salvar o mundo.

Sobre Viktor: Desta vez, uma mudança na linha do tempo significa que os Hargreeves retornam para descobrir que sua casa agora é a Academia Sparrow e que seu pai optou por adotar e moldar um grupo diferente de crianças superdotadas (e um cubo flutuante e brilhante). Entre eles está o falecido irmão de Hargreeves, Ben, interpretado por Justin H. Min.

Mas a maior mudança que o programa sofreu não foi uma reviravolta na trama envolvendo linhas do tempo alternativas. Em vez disso, foi a revelação de mudança de gênero de um membro do elenco. Em 1º de dezembro de 2020, quatro meses após o lançamento da segunda temporada de “The Umbrella Academy” na Netflix, a estrela Elliot Page se revelou estar passando pelo processo, se tornando indiscutivelmente o mais famoso homem em Hollywood.

Elliot Page anunciou sua transição de gênero em dezembro de 2020. Foto: Reprodução/Instagram
Elliot Page anunciou sua transição de gênero em dezembro de 2020. Foto: Reprodução/Instagram
Elliot Page anunciou sua transição de gênero em dezembro de 2020. Foto: Reprodução/Instagram

Após muita incerteza, em março deste ano a novidade se tornou oficial: entra Viktor Hargreeves, junto com a realidade do programa lidando com um abalo mais relacionável – e sensível – do que os tipos com os quais geralmente lida. Se alguma vez houve um momento para a “Umbrella Academy” abraçar a sutileza, foi esse. E enquanto muitos personagens e suas respectivas jornadas neste programa chamam atenção, nenhum pode se comparar a aprender de onde veio o homem que conheceremos como Viktor.

Embora existam alguns problemas com a terceira temporada, a forma como a transição de Viktor é tratada, não é um deles. Sempre há espaço para críticas, é claro, mas o programa ainda consegue pegar algo percebido como um assunto complicado e não torná-lo mais complicado do que realmente é. Viktor se reapresenta à sua família, eles aceitam, e a série segue. Ela abraça Viktor de forma simples, se trair.

Também não trai os outros personagens por não retratar suas reações, deixando as coisas acontecerem de uma maneira que pareça fiel à realidade da série e à nossa. Como enredo, a transição de Viktor dificilmente é o foco principal ou mesmo secundário da terceira temporada. Mas seu impacto persiste ao longo da produção e continuará enquanto Page fizer parte do programa.

Deve-se entender que a transição de Viktor é parte essencial de sua identidade, mas não é a única. Até agora, “The Umbrella Academy” abordou esse assunto extremamente delicado de uma maneira admirável, provavelmente ajudado em grande parte pelas consultas e experiências de Page. Felizmente, a aceitação continua a aumentar, por ele e por outras séries que possam seguir o seu exemplo.

Os outros Hargreeves continuam como você se lembra deles. Cinco (Aidan Gallagher) oferece exposição enquanto parece o estudante de escola preparatória mais maltratado do mundo. O irmão com corpo de gorila Luther (Tom Hopper) aprofundou-se ainda mais no “himboísmo”, o médium e viciado em recuperação Klaus (Robert Sheehan) adiciona mais alguns clipes em potencial para vídeos de “[x] minutos de Klaus Hargreeves sendo o caos personificado” e o arremessador de facas Diego (David Castañeda) segue como um cabeça quente, com um novo companheiro que irá realmente testar sua paciência.

Além de Viktor, o maior desenvolvimento de personagem entre os irmãos Hargreeve acontece com Allison, a única irmã. Emmy Raver-Lampman atinge o equilíbrio certo entre aflita e enfurecida quando certas informações vêm à tona.

“The Umbrella Academy” é uma série sobre super-heróis, onde grande parte da ação na tela envolve personagens sentados conversando. E as conversas são muitas vezes argumentos e desculpas subsequentes por esses argumentos. A terceira temporada parece a mais falante até agora, bem como a mais claustrofóbica. Os personagens estão confinados principalmente aos limites da Academia e de um hotel misterioso. Quando o cenário muda no lugar e no tempo, mesmo que brevemente, como uma jornada para Berlim após a queda do muro, é revitalizante para o espectador, de uma maneira que o show poderia usar mais.

Mesmo que grande parte da terceira temporada pareça meio parada, ainda é bastante agradável, graças a um elenco que entende seus personagens e como interagir um com o outro. Sua energia e comprometimento impedem que a série se torne um borrão de jargões e interjeições inexpressivas.

Certamente, há desenvolvimentos e plots em seu enredo, mas mesmo as surpresas parecem um pouco previsíveis. É uma série sobre nada ser certo e as menores ações no presente tendo as maiores consequências no futuro. Mas enquanto muitos enredos da terceira temporada tinham um potencial emocionante, a forma como eles finalmente se resolvem tende a parecer um pouco exagerados em bom gosto e lógicos demais. Embora a aversão a fãs potencialmente alienados seja compreensível, é difícil não desejar que esse programa sobre desajustados seja o mais excêntrico possível, em vez de apenas ocasionalmente mergulhar o dedo do pé nessa excentricidade.

A série começou como um drama familiar cruzado com uma saga de super-heróis e chega a terceira temporada mais como outra produção que assistimos somente para nos entreter onde o dia do juízo final está sempre virando da esquina, porém é tratado como algo rotineiro. Os personagens parecem saber que estão em um programa de TV, o que significa que as apostas nunca são tão altas quanto as circunstâncias realmente exigiriam, o que significa que é muito fácil ver as resoluções se formando em qualquer cena.

Apesar dessas deficiências, a temporada ainda funciona. O tratamento do enredo de Viktor ainda consegue se beneficiar das simplicidades atípicas ao parecer ainda mais empático por isso. Em uma série onde tudo é confusão e as explicações só levam a mais confusão, é reconfortante saber que um personagem pode ser ele mesmo sem exigir que ele forneça detalhes sobre o porquê. Ao não dizer mais do que precisava, “The Umbrella Academy” consegue dizer mais do que nunca.

ComentáriosO que você achou?
Últimas